<$BlogRSDURL$>
eternuridade
Eternuridade, s.f. (do lat. aeternitate por aglutinação com do lat. ternu). Qualidade efémera do que é terno. O que há de eterno no transitório. Afecto muito longo; tristeza suave e demorada. textos e fotos: gouveiamonteiro(at)gmail(dot)com LIGAÇÕES
.: www.luisgouveiamonteiro.com
.: A Natureza do Mal
.: Mar Salgado
.: Lita
.: Lito
.: Físico Prodigioso
.: Rua dos Ferreiros
.: Domingo à tarde
.: A minha afilhada
31 de janeiro de 2005

Não existe nem matéria nem gente. As coisas são as ideias da natureza
.: Publicado por lgm @ 1/31/2005 - 0 Comentário(s)
Deves-me 100 Gigas
Temos as contas todas feitas, não me deves nada. A não ser (pelo menos) 100G de memórias involuntárias: és a segunda circular por causa dos crepes do fonte nova, moras em todas as casas onde um dia estiveste, estás nas comidas de que gostas e nas que detestas. És um fantasma enorme. A derradeira arma de recordação em massa, o perfume, continua no mesmo sítio. Na pequena gaveta da cómoda que serve apenas para o esconder. O dinheiro todo do mundo não me faria aproximar dele. Devia ir para o lixo, tanto mais que sobre este perfume de mulher e de vingança se disseram as mais crueis frases do mundo. Ainda não me aproximo dele, por causa dos Gigas. Sai-me do disco porque o meu disco é muito mole. Deves-me 100 Gigas porque ainda és o inverno só por causa do frio.
.: Publicado por lgm @ 1/31/2005 - 0 Comentário(s)
30 de janeiro de 2005
.: Publicado por lgm @ 1/30/2005 - 0 Comentário(s)
29 de janeiro de 2005
Tudo ligado

Eu sei que o tema é sempre o mesmo, mas tenho passado o tempo quase todo em casa. E é preciso começar por algum lado. Agora estou mais uns dias de férias e se ganhar coragem vou tirar umas fotografias à rua. Isto está tudo ligado.
.: Publicado por lgm @ 1/29/2005 - 0 Comentário(s)
Ecoterrorismo

Para a Sofia do Mal
.: Publicado por lgm @ 1/29/2005 - 0 Comentário(s)
28 de janeiro de 2005
.: Publicado por lgm @ 1/28/2005 - 0 Comentário(s)
27 de janeiro de 2005
.: Publicado por lgm @ 1/27/2005 - 0 Comentário(s)
Pixel
No fundo são sempre poucas as diferenças entre as estrelas e a poeira no monitor.
.: Publicado por lgm @ 1/27/2005 - 0 Comentário(s)
.: Publicado por lgm @ 1/27/2005 - 0 Comentário(s)
22 de janeiro de 2005
Prémio de consolação
A ideia de que a inteligência só causa sofrimento só pode ter vindo de uma pessoa triste.
.: Publicado por lgm @ 1/22/2005 - 0 Comentário(s)
20 de janeiro de 2005
Expunge pecuniary priapism

As palavras não acompanharam a rapidez das mudanças da experiência. São agora a carcaça de categorias que mudaram ou morreram. Na falta de uma língua nova, natural, só as mais improváveis combinações da língua antiga nos permitem uma espécie de retrato deste mundo feito da mistura. Provavelmente o acerto desse retrato é daquelas coisas de que se gosta sem perceber; daquelas coisas que não se conseguem desmontar. São essas novas combinações - belas e misteriosas - que se guardam no frigorífico. Até ao dia em que uma língua astuciosa seja capaz de as descongelar.
.: Publicado por lgm @ 1/20/2005 - 0 Comentário(s)
Sociedade do desejo
Está um senhor na televisão a dizer que às vezes é preciso desistir do amor. Tem cabelos brancos e uma mágoa resolvida que lhe confere uma certa segurança. A senhora que o acompanha é mais mulher, mas respeita-o demais. Estou um bocado farto de falar do amor, enche-me isto de gordura. Mas anda tudo ao mesmo. O meu pediatra diz que o amor é químico e está farto de me ver nas urgências. Os meus amigos querem mulheres; as minhas mulheres querem amigos.
.: Publicado por lgm @ 1/20/2005 - 0 Comentário(s)
17 de janeiro de 2005

Existe já um pequeno exército de gente que há mais de cem anos tenta escutar as vozes das coisas. Percebem que as categorias morreram todas e que para as palavras fazerem sentido é preciso dar-lhes imensas voltas, misturar muito. À medida que a gente se vai transformando em máquina - parecendo-nos cada vez mais com elas - vai aprendendo a sua poesia também. A única escrita coerente que conheço é a do meu frigorífico. No meu firgorífico as ideias são livres e emergem sem vergonha. Entre pessoas, bichos e máquinas, este exército absurdo ganha todos os dias terreno à medida que se confirma que isto ainda agora começou, que tudo se desconhece e que a história não começa nem acaba aqui.
.: Publicado por lgm @ 1/17/2005 - 0 Comentário(s)
Não é prudente produzirem-se imagens que não se consigam esquecer. Quando as coisas corriam pior ele ligava-me e dizia: "Podes voltar, ela não tirou as fotografias". O regime estava de pé.
.: Publicado por lgm @ 1/17/2005 - 0 Comentário(s)
16 de janeiro de 2005
Tu, por exemplo

Confessa que nos primeiros tempos ainda consegui um tempo sem pressa, a ideia de uma vida inteira assim. Mas perde-se sempre esse fôlego. A capacidade de dar uma nova volta à ampulheta e de fazer a areia voltar a cair com força. A todos se pede que o façam: que transformem informação em neguentropia. Foi para resolver o acaso que se inventaram sistemas. As minhas saídas ora estão antes ora depois das entradas. O meu sistema tem falhas.
.: Publicado por lgm @ 1/16/2005 - 0 Comentário(s)
15 de janeiro de 2005
this is an audio post - click to play
.: Publicado por lgm @ 1/15/2005 - 0 Comentário(s)
13 de janeiro de 2005
Autopoiesis

"Sem as máquinas já não somos gente", diz a senhora da tabacaria enquanto dedilha a calculadora porque a cabeça nos falha ao somar um público sem livro com um sg ventil.
.: Publicado por lgm @ 1/13/2005 - 0 Comentário(s)
.: Publicado por lgm @ 1/13/2005 - 0 Comentário(s)
11 de janeiro de 2005
Entropia

Hoje demorei-me à janela mais dez minutos do que o previsto. Por causa disso quando estava a acabar o cigarro vi ainda o homem dos cenários a desmontar a paisagem que semprei julguei existir em frente à minha varanda. Desta vez percebi que a culpa é minha, não é do sistema que me ajuda a sobreviver. Eu é que não tinha nada que me ter atrasado à janela.
.: Publicado por lgm @ 1/11/2005 - 0 Comentário(s)
6 de janeiro de 2005
.: Publicado por lgm @ 1/06/2005 - 0 Comentário(s)
Amor é ...

... uma palavra hipercalórica. Ele é chileno e faz tudo bem. Com 17 anos, ele escreve como o Salinger, passeia nas margens do rio que fez pensar o Walser, toca para estádios de futebol e canta para homens e mulheres. Está a caminho da vida, o que é muito melhor do que lá estar. Ela é argentinha, suiça, portuguesa e inglesa. Fala a língua que for precisa como se fosse a dela e é bonita demais para sofrer do coração. Durante o entardecer e pela noite dentro, falam ao computador e combinam o regresso ao colégio e a partida para a universidade.
.: Publicado por lgm @ 1/06/2005 - 0 Comentário(s)
CAIXA NEGRA
Setembro 2003 :: Outubro 2003 :: Novembro 2003 :: Dezembro 2003 :: Janeiro 2004 :: Fevereiro 2004 :: Março 2004 :: Abril 2004 :: Maio 2004 :: Junho 2004 :: Julho 2004 :: Agosto 2004 :: Setembro 2004 :: Outubro 2004 :: Novembro 2004 :: Dezembro 2004 :: Janeiro 2005 :: Fevereiro 2005 :: Março 2005 :: Abril 2005 :: Maio 2005 :: Junho 2005 :: Julho 2005 :: Setembro 2005 :: Outubro 2005 :: Novembro 2005 :: Dezembro 2005 :: Janeiro 2006 :: Fevereiro 2006 :: Março 2006 :: Abril 2006 :: Maio 2006 :: Junho 2006 :: Julho 2006 :: Agosto 2006 :: Setembro 2006 :: Outubro 2006 :: Novembro 2006 :: Dezembro 2006 :: Janeiro 2007 :: Fevereiro 2007 :: Março 2007 :: Abril 2007 :: Maio 2007 :: Junho 2007 :: Julho 2007 :: Outubro 2007 :: Dezembro 2007 :: Janeiro 2008 :: Março 2008 :: Abril 2008 :: Maio 2008 :: Junho 2008 :: Julho 2008 :: Agosto 2008 :: Setembro 2008 :: Outubro 2008 :: Dezembro 2008 :: Fevereiro 2009 :: Março 2009 :: Abril 2009 :: Maio 2009 :: Agosto 2009 :: Setembro 2009 :: Novembro 2009 :: Dezembro 2009 :: Janeiro 2010 :: Fevereiro 2010 :: Maio 2010 :: Dezembro 2010 :: Setembro 2012 :: Dezembro 2012 :: Janeiro 2013 :: Novembro 2014 ::