<$BlogRSDURL$>
eternuridade
Eternuridade, s.f. (do lat. aeternitate por aglutinação com do lat. ternu). Qualidade efémera do que é terno. O que há de eterno no transitório. Afecto muito longo; tristeza suave e demorada. textos e fotos: gouveiamonteiro(at)gmail(dot)com LIGAÇÕES
.: www.luisgouveiamonteiro.com
.: A Natureza do Mal
.: Mar Salgado
.: Lita
.: Lito
.: Físico Prodigioso
.: Rua dos Ferreiros
.: Domingo à tarde
.: A minha afilhada
15 de março de 2008
Hurt
.: Publicado por lgm @ 3/15/2008 - 1 Comentário(s)
13 de março de 2008
Noah takes a photo

January 11, 2000 - July 31, 2006.
2356 Days.
.: Publicado por lgm @ 3/13/2008 - 0 Comentário(s)
10 de março de 2008

Beverly, uma pianada oitenteira.
.: Publicado por lgm @ 3/10/2008 - 0 Comentário(s)
Em cima da hora
Kant pediu a Deus para fazer um encore.
.: Publicado por lgm @ 3/10/2008 - 0 Comentário(s)
7 de março de 2008
Carta de Amor a uma Barriga
Barriga informe, do tamanho do mundo, toma bem conta de ti. Sítio mágico, redondinho, a vida és tu. Cresce, não deixes o mundo à espera. Talvez eu ainda não saiba, mas daqui a pouco - antes de ti - não havia nada. Anda barriga, a única coisa que o sol queima é o desgosto, barriga. Não tenhas medo do mar, basta respeito. Não te salves, não percas tempo com isso e nunca compres uma mesa de café em que não possas descansar os sapatos.
Se as tuas mãos forem brancas como as primeiras neves, poupa-lhes o negrume da espera. Trata de as oferecer por inteiro a quem vir em ti uma criança. Treina muito bem a memória, vais precisar de esquecer. Trata-me por tu. Curte música, gosta de coisas, abraça pessoas e anda com as costas direitas. Aprende a falar em silêncio, com o corpo.
Bem podes argumentar que se está bem no quentinho, o quanto à gente custa sair da cama pela manhã. Mas não me venhas dizer que os tempos estão maus. Lembra-te que todas as eras e todas as civilização se queixam de paraísos perdidos. Vão sempre dizer-te que dantes é que era, nem que vivas mil anos. Desconfia.
Não deixes que ninguém te trate como se fosse mais ou menos do que tu. Mais vale que te apaixones cedo pelos animais e que descubras depressa o mistério da natureza. Sabias que a alma dos cães é do tamanho das nossas? O universo ainda está todo por explicar, tens muito trabalho para fazer, anda. Ainda me vais explicar a teoria das cordas.
É que tu, barriga por enquanto lisa, ainda és tudo o que nós já não podemos ser. Toda tu és potência, possibilidade e hipótese. Se espirras constipas-nos. Toma o teu tempo, perde-te. Mas começa já a levantar cidades aí dentro. Mobila-te, vais precisar dos teus edifícios, dessa roupa interior. Principalmente no Inverno. Estuda meteorologia para perceberes que o mau tempo é uma coisa exterior. Imagina a chuva e bebe muita água.
Anda cá ver isto, barriga do coração, sê curiosa. Expande-te, descobre os limites das coisas, o instante em que deixam de ser o que são e começam a ser outras coisas. Interessa-te pelas conversas idiotas, interessa-te por tudo. Deslumbra-te, deixa-te enganar. Muda tudo e recomeça. Não deixes a melhor roupa para o dia seguinte, usa-a. Ousa, nunca se sabe.

Ninguém sabe o que é a vida, a não ser tu. Mas eu acho que a vida é um ponto de embraiagem gigante, impossível. As ciências deixaram outra vez de ser exactas, os principais mistérios continuam intactos. A gente precisa das crianças do futuro. A terra moral também é redonda. Levanta amarras, barriga!
Escolhe um Deus que não venha da culpa. Organiza as tuas forças e não deixes que as tuas defesas te ataquem. Joga muito à bola, prepara-te para as coisas. Cuida do teu sistema nervoso, treina a atenção. Aprende a nadar porque os náufragos precisam da carta de marinheiro. Inventa, tem cuidado com o infinito, mas não o leves a sério. Não nos leves a sério.
Pensa nas coisas e trata bem a tua mãe, que anda contigo ao colo, não faças peso. Quando entrares numa sala enche-a de luz. Se ainda levares as costas direitas vai ser mais fácil. Dá o peito, mas evita as balas. Todas as noite te lançarei feitiços ao umbigo, quando ainda não souberes o nome das coisas, apenas os sons, faz mais efeito. Farei promessas, hei-de pedir que gostes sempre mim e que nunca me deixes. Não será a primeira vez, nem a última. Depois serás tu a encher-nos de magia. Vai valer a pena, barriga, manda-te ao mundo.

O tempo anda devagar, no início. Aproveita para deixar coisas feitas, por exemplo as línguas. Aprende a gostar de estudar, é bem melhor do que trabalhar. Considera a hipótese de rebentares na véspera de um feriado para teres noites de aniversário a vida toda. Havemos de te dar uma boa mesada para ofereceres flores às outras barrigas.
Mas, ó barriga, que sei eu? Tudo me parece também o contrário. Quero que cresças, hei-de querer que encolhas quando fores do meu tamanho. Não me ouças, barriga, anda só e depressa. Não quero que me salves, tens mais que fazer, mas faz de mim um homem e faz de ti um miúdo.

in Pais&Filhos Fevereiro 2008
.: Publicado por lgm @ 3/07/2008 - 1 Comentário(s)

.: Publicado por lgm @ 3/07/2008 - 0 Comentário(s)
4 de março de 2008
O comboio e a neve

Que maravilha, o real.
.: Publicado por lgm @ 3/04/2008 - 0 Comentário(s)
CAIXA NEGRA
Setembro 2003 :: Outubro 2003 :: Novembro 2003 :: Dezembro 2003 :: Janeiro 2004 :: Fevereiro 2004 :: Março 2004 :: Abril 2004 :: Maio 2004 :: Junho 2004 :: Julho 2004 :: Agosto 2004 :: Setembro 2004 :: Outubro 2004 :: Novembro 2004 :: Dezembro 2004 :: Janeiro 2005 :: Fevereiro 2005 :: Março 2005 :: Abril 2005 :: Maio 2005 :: Junho 2005 :: Julho 2005 :: Setembro 2005 :: Outubro 2005 :: Novembro 2005 :: Dezembro 2005 :: Janeiro 2006 :: Fevereiro 2006 :: Março 2006 :: Abril 2006 :: Maio 2006 :: Junho 2006 :: Julho 2006 :: Agosto 2006 :: Setembro 2006 :: Outubro 2006 :: Novembro 2006 :: Dezembro 2006 :: Janeiro 2007 :: Fevereiro 2007 :: Março 2007 :: Abril 2007 :: Maio 2007 :: Junho 2007 :: Julho 2007 :: Outubro 2007 :: Dezembro 2007 :: Janeiro 2008 :: Março 2008 :: Abril 2008 :: Maio 2008 :: Junho 2008 :: Julho 2008 :: Agosto 2008 :: Setembro 2008 :: Outubro 2008 :: Dezembro 2008 :: Fevereiro 2009 :: Março 2009 :: Abril 2009 :: Maio 2009 :: Agosto 2009 :: Setembro 2009 :: Novembro 2009 :: Dezembro 2009 :: Janeiro 2010 :: Fevereiro 2010 :: Maio 2010 :: Dezembro 2010 :: Setembro 2012 :: Dezembro 2012 :: Janeiro 2013 :: Novembro 2014 ::