<$BlogRSDURL$>
eternuridade
Eternuridade, s.f. (do lat. aeternitate por aglutinação com do lat. ternu). Qualidade efémera do que é terno. O que há de eterno no transitório. Afecto muito longo; tristeza suave e demorada. textos e fotos: gouveiamonteiro(at)gmail(dot)com LIGAÇÕES
.: www.luisgouveiamonteiro.com
.: A Natureza do Mal
.: Mar Salgado
.: Lita
.: Lito
.: Físico Prodigioso
.: Rua dos Ferreiros
.: Domingo à tarde
.: A minha afilhada
25 de março de 2004
Jose Cardoso Não Pires

Na imagem, José Cardoso por Bual

Nós somos as tentativas da natureza. Ainda que um belo homem, José Cardoso Pires foi apenas a declinação de um outro, José Cardoso (Não Pires). O facto é normal e sucede com toda a gente. Uma pessoa é o resultado das variáveis que lhe deram e das que conseguiu arrancar ao correr dos anos. A gente resulta de uma complexa rede de circunstâncias, a maior parte das quais, sejamos honestos, não dominamos.
Os dois Cardosos chegaram a encontrar-se, apenas uma vez, à noite, no "Botequim" de Natália Correia. A conversa durou pouco tempo. Tornava-se aborrecida. Sendo declinações um do outro, diziam quase sempre a mesma frase. Com pequenas variações de tempo verbal e pontuação. Tinham sido deixados por duas mulheres diferentes. Estavam vestidos de igual, mas Não Pires tinha-se enganado na côr de uma das peúgas.
Mas vamos ao que interessa, ao nosso homem: também conhecido por Homem-Arquivo, José Cardoso (Não Pires) está vivo e pontapeia. É uma das raras vítimas de stress de paz. Inesperadamente, caminha para lá dos sessenta. Tinha planeado morrer novo, por exemplo na guerra, de preferência em África, mas teve azar.
Vive em Queluz, num castelo feito de livros e de recortes de jornal. Não usa dinheiro e tem por missão escrever um livro que seja, do início ao fim, feito de citações. Uma frase por autor. O programa, esse, é mais complexo: transformar informação em conhecimento. Passo meses sem o ver. Ainda assim, é a única pessoa a quem não consigo deixar de telefonar quando estou fora de Portugal.
.: Publicado por lgm @ 3/25/2004 - 0 Comentário(s)
CAIXA NEGRA
Setembro 2003 :: Outubro 2003 :: Novembro 2003 :: Dezembro 2003 :: Janeiro 2004 :: Fevereiro 2004 :: Março 2004 :: Abril 2004 :: Maio 2004 :: Junho 2004 :: Julho 2004 :: Agosto 2004 :: Setembro 2004 :: Outubro 2004 :: Novembro 2004 :: Dezembro 2004 :: Janeiro 2005 :: Fevereiro 2005 :: Março 2005 :: Abril 2005 :: Maio 2005 :: Junho 2005 :: Julho 2005 :: Setembro 2005 :: Outubro 2005 :: Novembro 2005 :: Dezembro 2005 :: Janeiro 2006 :: Fevereiro 2006 :: Março 2006 :: Abril 2006 :: Maio 2006 :: Junho 2006 :: Julho 2006 :: Agosto 2006 :: Setembro 2006 :: Outubro 2006 :: Novembro 2006 :: Dezembro 2006 :: Janeiro 2007 :: Fevereiro 2007 :: Março 2007 :: Abril 2007 :: Maio 2007 :: Junho 2007 :: Julho 2007 :: Outubro 2007 :: Dezembro 2007 :: Janeiro 2008 :: Março 2008 :: Abril 2008 :: Maio 2008 :: Junho 2008 :: Julho 2008 :: Agosto 2008 :: Setembro 2008 :: Outubro 2008 :: Dezembro 2008 :: Fevereiro 2009 :: Março 2009 :: Abril 2009 :: Maio 2009 :: Agosto 2009 :: Setembro 2009 :: Novembro 2009 :: Dezembro 2009 :: Janeiro 2010 :: Fevereiro 2010 :: Maio 2010 :: Dezembro 2010 :: Setembro 2012 :: Dezembro 2012 :: Janeiro 2013 :: Novembro 2014 ::