<$BlogRSDURL$>
eternuridade
Eternuridade, s.f. (do lat. aeternitate por aglutinação com do lat. ternu). Qualidade efémera do que é terno. O que há de eterno no transitório. Afecto muito longo; tristeza suave e demorada. textos e fotos: gouveiamonteiro(at)gmail(dot)com LIGAÇÕES
.: www.luisgouveiamonteiro.com
.: A Natureza do Mal
.: Mar Salgado
.: Lita
.: Lito
.: Físico Prodigioso
.: Rua dos Ferreiros
.: Domingo à tarde
.: A minha afilhada
28 de novembro de 2004
.: Publicado por lgm @ 11/28/2004 - 0 Comentário(s)
O amor é uma doença de pele.
.: Publicado por lgm @ 11/28/2004 - 0 Comentário(s)
A filosofia é uma doença de pessoas sem pai.
.: Publicado por lgm @ 11/28/2004 - 0 Comentário(s)
25 de novembro de 2004
.: Publicado por lgm @ 11/25/2004 - 0 Comentário(s)
Os corpos estão todos tortos
Como se os orgãos não tivessem tecidos, como se não fossem peças de roupa.
.: Publicado por lgm @ 11/25/2004 - 0 Comentário(s)
Verso estaminal
A vida é uma merda fértil.
.: Publicado por lgm @ 11/25/2004 - 0 Comentário(s)
Governo das flores da pele
A cura mora na carne.
.: Publicado por lgm @ 11/25/2004 - 0 Comentário(s)
19 de novembro de 2004
Eu hei-de amar uma mulher
Ultimamente só tenho feito amor com máquinas. É com o computador e o telefone que tenho contactos mais íntimos. Trocas de toques e de sorrisos. As pessoas que andam a discutir o amor virtual esquecem-se de que o desejo acontece todo na cabeça. Como são pessoas preversas pensam em objectos estranhos, próteses e interfaces entre a carne e a máquina. Mas nada acontece sem ser na cabeça. A derradeira máquina é a cabeça. É a única que não tem blueprints, porque os deuses levaram os planos quando abandonaram os céus. Por isso se convencionou deixar à solta a sensibilidade e as artes. Para continuar à procura - no excepcional, no diferente e no inútil - a estranha razão de haver vida.
.: Publicado por lgm @ 11/19/2004 - 0 Comentário(s)
18 de novembro de 2004
Primeira crítica deste Outono
Em termos de qualidade de Sol de Inverno (SDI) este Outono não tem estado mal. Os críticos meteorológicos menos acalorados têm referido uma temperatura média dois a três graus abaixo do que seria tecnicamente perfeito pela escala espanhola do SDI. Mas até o observador climatérico menos afiado sabe que temeraturas mais baixas convidam mais à intimidade e à carícia. Ajudam aos aquecedores e às lareiras. Ninguém pode negar que este Verão de São Martinho (VDSM) tem sido sólido em termos de longevidade e de brilho. Alguma chuva, mas sempre com o Sol muito presente. A luz tem tido qualidade, grande parte dos dias. Com um ritmo seguro, este Outonho caminha com a certeza de uma das mais elegantes estações do ano.
.: Publicado por lgm @ 11/18/2004 - 0 Comentário(s)
Contente
(Foto auto-censurada)
Muito melhor do que o futuro é um presente perfeiro. Sem tempo, sem pressa.
.: Publicado por lgm @ 11/18/2004 - 0 Comentário(s)
17 de novembro de 2004
Blog goes MSN
:)
.: Publicado por lgm @ 11/17/2004 - 0 Comentário(s)
Vá lá ver
.: Publicado por lgm @ 11/17/2004 - 0 Comentário(s)
Heimlich?
.: Publicado por lgm @ 11/17/2004 - 0 Comentário(s)
15 de novembro de 2004
A minha irmã passou cá o fim de semana
As saudades que eu já tinha de dormir com uma loura.
.: Publicado por lgm @ 11/15/2004 - 0 Comentário(s)
O tempo em que falavam não era verbal.
.: Publicado por lgm @ 11/15/2004 - 0 Comentário(s)
13 de novembro de 2004
Um luxo
Hoje, no mil folhas, o escritor do meu país entrevistado pela jornalista do meu coração. Um luxo. Nem é preciso dizer que eles preferiam não o ter feito, mas ainda bem que o fizeram.
.: Publicado por lgm @ 11/13/2004 - 0 Comentário(s)
12 de novembro de 2004
.: Publicado por lgm @ 11/12/2004 - 0 Comentário(s)
11 de novembro de 2004
Vou amar-te
mas não te darei camisolas
Este calor é diferente
quente por fora
É vapor que consola,
roupa interior
.: Publicado por lgm @ 11/11/2004 - 0 Comentário(s)
8 de novembro de 2004
.: Publicado por lgm @ 11/08/2004 - 0 Comentário(s)
.: Publicado por lgm @ 11/08/2004 - 0 Comentário(s)
.: Publicado por lgm @ 11/08/2004 - 0 Comentário(s)
2 de novembro de 2004
Desejo novo
Temos sempre as malas feitas. Não há nada que não possa acabar num momento. Uma casa é uma mala muito grande em que cabemos. Os fantasmas desaparecem num instante.
.: Publicado por lgm @ 11/02/2004 - 0 Comentário(s)
CAIXA NEGRA
Setembro 2003 :: Outubro 2003 :: Novembro 2003 :: Dezembro 2003 :: Janeiro 2004 :: Fevereiro 2004 :: Março 2004 :: Abril 2004 :: Maio 2004 :: Junho 2004 :: Julho 2004 :: Agosto 2004 :: Setembro 2004 :: Outubro 2004 :: Novembro 2004 :: Dezembro 2004 :: Janeiro 2005 :: Fevereiro 2005 :: Março 2005 :: Abril 2005 :: Maio 2005 :: Junho 2005 :: Julho 2005 :: Setembro 2005 :: Outubro 2005 :: Novembro 2005 :: Dezembro 2005 :: Janeiro 2006 :: Fevereiro 2006 :: Março 2006 :: Abril 2006 :: Maio 2006 :: Junho 2006 :: Julho 2006 :: Agosto 2006 :: Setembro 2006 :: Outubro 2006 :: Novembro 2006 :: Dezembro 2006 :: Janeiro 2007 :: Fevereiro 2007 :: Março 2007 :: Abril 2007 :: Maio 2007 :: Junho 2007 :: Julho 2007 :: Outubro 2007 :: Dezembro 2007 :: Janeiro 2008 :: Março 2008 :: Abril 2008 :: Maio 2008 :: Junho 2008 :: Julho 2008 :: Agosto 2008 :: Setembro 2008 :: Outubro 2008 :: Dezembro 2008 :: Fevereiro 2009 :: Março 2009 :: Abril 2009 :: Maio 2009 :: Agosto 2009 :: Setembro 2009 :: Novembro 2009 :: Dezembro 2009 :: Janeiro 2010 :: Fevereiro 2010 :: Maio 2010 :: Dezembro 2010 :: Setembro 2012 :: Dezembro 2012 :: Janeiro 2013 :: Novembro 2014 ::