<$BlogRSDURL$>
eternuridade
Eternuridade, s.f. (do lat. aeternitate por aglutinação com do lat. ternu). Qualidade efémera do que é terno. O que há de eterno no transitório. Afecto muito longo; tristeza suave e demorada. textos e fotos: gouveiamonteiro(at)gmail(dot)com LIGAÇÕES
.: www.luisgouveiamonteiro.com
.: A Natureza do Mal
.: Mar Salgado
.: Lita
.: Lito
.: Físico Prodigioso
.: Rua dos Ferreiros
.: Domingo à tarde
.: A minha afilhada
20 de novembro de 2003
Registo Ideológico
O Público protagonizou um momento de feliz desassombro ao publicar em lista a face mais visível do trânsito de jornalistas entre as redacções e os gabinetes ministriais. Não tem mal nenhum, os jornalistas podem e devem ser claros em relação aos vínculos que têm. Anormal é fingir que não se tem clube, que não se toma partido, que não se tem alma.
Dito isto e sendo jornalista obrigo-me desde já a fazer esse registo ideológico: Sou do Sporting. Fui comunista até ao primeiro ano do ciclo. Ainda na primária colei cartazes da APU. Se não me falha a memória abandonei a ideologia por volta dos 11 em virtude do falhanço da Perestroika, que muito me entristeceu.
Entrei para o liceu sem partido e assim continuei, sempre pela esquerda, e depois pelo Nietzsche. Achei alguma graça à plataforma de esquerda, mas já tinha trabalho de sobra na associação de estudantes.
Aos 17 li no Independente sobre um novo jornal de esquerda, com o número de telefone. Liguei. Atendeu o Miguel Portas. Fui servir cafés no Manifesto do Ivan Nunes, do Daniel Oliveira, do Miguel Portas e do Paulo Varela Gomes. Depois ajudei no início da Política XXI, mas cedo percebi que a política não é a minha praia. As minhas convicções são todas líquidas. Dessa política sou apenas consumidor e crítico tacanho, porque aí não me move a paixão. O meu sonho é o da filosofia instantânea dos Reflexos de Azul Electrico. Palavras orgânicas e coisas em forma de assim.
Quanto ao resto e resumindo: sou quase sempre de esquerda, não tenho partido, mas tomo partido.
Commentários:
Enviar um comentário
CAIXA NEGRA
Setembro 2003 :: Outubro 2003 :: Novembro 2003 :: Dezembro 2003 :: Janeiro 2004 :: Fevereiro 2004 :: Março 2004 :: Abril 2004 :: Maio 2004 :: Junho 2004 :: Julho 2004 :: Agosto 2004 :: Setembro 2004 :: Outubro 2004 :: Novembro 2004 :: Dezembro 2004 :: Janeiro 2005 :: Fevereiro 2005 :: Março 2005 :: Abril 2005 :: Maio 2005 :: Junho 2005 :: Julho 2005 :: Setembro 2005 :: Outubro 2005 :: Novembro 2005 :: Dezembro 2005 :: Janeiro 2006 :: Fevereiro 2006 :: Março 2006 :: Abril 2006 :: Maio 2006 :: Junho 2006 :: Julho 2006 :: Agosto 2006 :: Setembro 2006 :: Outubro 2006 :: Novembro 2006 :: Dezembro 2006 :: Janeiro 2007 :: Fevereiro 2007 :: Março 2007 :: Abril 2007 :: Maio 2007 :: Junho 2007 :: Julho 2007 :: Outubro 2007 :: Dezembro 2007 :: Janeiro 2008 :: Março 2008 :: Abril 2008 :: Maio 2008 :: Junho 2008 :: Julho 2008 :: Agosto 2008 :: Setembro 2008 :: Outubro 2008 :: Dezembro 2008 :: Fevereiro 2009 :: Março 2009 :: Abril 2009 :: Maio 2009 :: Agosto 2009 :: Setembro 2009 :: Novembro 2009 :: Dezembro 2009 :: Janeiro 2010 :: Fevereiro 2010 :: Maio 2010 :: Dezembro 2010 :: Setembro 2012 :: Dezembro 2012 :: Janeiro 2013 :: Novembro 2014 :: Abril 2021 :: Agosto 2021 :: Setembro 2021 :: Outubro 2021 :: Novembro 2021 ::