<$BlogRSDURL$>
eternuridade
Eternuridade, s.f. (do lat. aeternitate por aglutinação com do lat. ternu). Qualidade efémera do que é terno. O que há de eterno no transitório. Afecto muito longo; tristeza suave e demorada. textos e fotos: gouveiamonteiro(at)gmail(dot)com LIGAÇÕES
.: www.luisgouveiamonteiro.com
.: A Natureza do Mal
.: Mar Salgado
.: Lita
.: Lito
.: Físico Prodigioso
.: Rua dos Ferreiros
.: Domingo à tarde
.: A minha afilhada
14 de setembro de 2003
Auto-Insuficiência (VII)

A família escapa ao infinito. Pura matemática, é uma sucessão de finitos. O rochedo aparece ao náufrago como uma hipótese de salvação: talvez consiga nadar e salvar-se. Mas o abismo é demasiado; o rochedo logo se desfaz. Símbolo terminal de pertença à humanidade - à linha - o rochedo é falso. O homem só chega à pureza quando deixar de o ser. Até lá, até à morte, está preso a uma figura que lhe atrasa a ideia.
A casa, a família, a pátria, os jogos de computador, o jornal da manhã e os demais estimulantes atormentam as mentes ansiosas que dependem de emoções duras. Tanto as garras dos estimulantes como a sua utilidade são antigas. Mas todas as pátrias são falsas e dão ressaca.
Não é tudo a mesma coisa, e será pouco rigoroso enfiar no mesmo saco a herança genética, as diferentes fórmulas de entretenimento e o deslumbramento que proporcionam os paraísos artifíciais das drogas. Mas a verdade é que depois dos sistemas pré-fabricados nada substitui ou dispensa o processo lento e penoso de auto-arquitectura a que todo o espírito humano se terá que sujeitar. Não há respostas para nada a não ser em nós próprios. Não há nada que nos livre de provarmos todos os nossos venenos para depois então os sabermos evitar. Só a estupidez poderá evitar tais aborrecimentos.
Há homens de verdade que enquanto vivos estarão sempre incompletos. Este tipo de paixão é o resultado directo de uma falta de forma. Esta descompensação comporta riscos duros, mas previsiveis. Tem como efeito um duvidoso atrofiamento do agir, uma preguiça cósmica que tudo deita a perder em quantidades muito pequenas de cada vez.
O espectador de terríveis batalhas tem que visualizar a diferença entre a necessidade de felicidade e a brutal inflexibilidade da realidade física. Não há estrada imaginária por onde algum homem tenha conseguido passar. A Razão não deixará de ser simples e o universo será com certeza o efeito secundário de algo muito mais sério. O caleidoscópio é infinito.
Tudo para dizer que mais cedo ou mais tarde acabaremos sempre numa cama demasiado estreita. A solidão não tem remédio para o facto de não haver comunhão possível senão a conseguimos interiormente. O mundo ainda aqui está.
Commentários:
Enviar um comentário
CAIXA NEGRA
Setembro 2003 :: Outubro 2003 :: Novembro 2003 :: Dezembro 2003 :: Janeiro 2004 :: Fevereiro 2004 :: Março 2004 :: Abril 2004 :: Maio 2004 :: Junho 2004 :: Julho 2004 :: Agosto 2004 :: Setembro 2004 :: Outubro 2004 :: Novembro 2004 :: Dezembro 2004 :: Janeiro 2005 :: Fevereiro 2005 :: Março 2005 :: Abril 2005 :: Maio 2005 :: Junho 2005 :: Julho 2005 :: Setembro 2005 :: Outubro 2005 :: Novembro 2005 :: Dezembro 2005 :: Janeiro 2006 :: Fevereiro 2006 :: Março 2006 :: Abril 2006 :: Maio 2006 :: Junho 2006 :: Julho 2006 :: Agosto 2006 :: Setembro 2006 :: Outubro 2006 :: Novembro 2006 :: Dezembro 2006 :: Janeiro 2007 :: Fevereiro 2007 :: Março 2007 :: Abril 2007 :: Maio 2007 :: Junho 2007 :: Julho 2007 :: Outubro 2007 :: Dezembro 2007 :: Janeiro 2008 :: Março 2008 :: Abril 2008 :: Maio 2008 :: Junho 2008 :: Julho 2008 :: Agosto 2008 :: Setembro 2008 :: Outubro 2008 :: Dezembro 2008 :: Fevereiro 2009 :: Março 2009 :: Abril 2009 :: Maio 2009 :: Agosto 2009 :: Setembro 2009 :: Novembro 2009 :: Dezembro 2009 :: Janeiro 2010 :: Fevereiro 2010 :: Maio 2010 :: Dezembro 2010 :: Setembro 2012 :: Dezembro 2012 :: Janeiro 2013 :: Novembro 2014 :: Abril 2021 :: Agosto 2021 :: Setembro 2021 :: Outubro 2021 ::