<$BlogRSDURL$>
eternuridade
Eternuridade, s.f. (do lat. aeternitate por aglutinação com do lat. ternu). Qualidade efémera do que é terno. O que há de eterno no transitório. Afecto muito longo; tristeza suave e demorada. textos e fotos: gouveiamonteiro(at)gmail(dot)com LIGAÇÕES
.: www.luisgouveiamonteiro.com
.: A Natureza do Mal
.: Mar Salgado
.: Lita
.: Lito
.: Físico Prodigioso
.: Rua dos Ferreiros
.: Domingo à tarde
.: A minha afilhada
20 de fevereiro de 2006
olho nu

Algumas intuições são hereditárias. Quando há banhos de luz em pequenos raios que atravessam uma divisão quase às escuras é possível ver o pó que flutua no ar. quando era pequena a minha mãe pensava que eram os átomos. O meu avô é - e já na altura era - químico. A menina guardava aquelas visões como um grande segredo. Pensava que via a olho-nu aquilo que o pai só conseguia vislumbrar ao microscópio. eu acho que me lembro de pensar mais ou menos o mesmo e de tamvém não ter falado disso a ninguém, mas eu sou muito influenciável. O meu pai fazia esparguete às quatro da manhã e eu também, mas quase todos os meus amigos o fazem.
Tenho outro episódio de magia genética, mas com a minha irmã, acho que já o tinha repetido num post que foi à vida. A certa altura, acho que durante o ciclo preparatório, tive os piores pesadelos da minha vida. Era tudo a preto e branco, uma espécie de código de barras contra o qual se avança a grande velocidade. É uma espécie de competição, só há uma maneira de atravessar a parede de barras e estão sempre duas entidades a concurso: eu e "o computador". Apenas uma se escapa de cada vez que se consegue atravessar a parede. Ou seja, atravessadas as primeiras três ou quatro paredes é claro que mais cedo ou mais tarde nos vamos espetar, até porque a velocidade aumenta cada vez mais. Quando isso acontece, acorda-se. Quando comecei a contar esta história pela primeira vez lá em casa a minha irmã antecipou-se e descreveu o sonho na perfeição como se fosse um jogo para a PSP que ela já tinha jogado.
Commentários:
Enviar um comentário
CAIXA NEGRA
Setembro 2003 :: Outubro 2003 :: Novembro 2003 :: Dezembro 2003 :: Janeiro 2004 :: Fevereiro 2004 :: Março 2004 :: Abril 2004 :: Maio 2004 :: Junho 2004 :: Julho 2004 :: Agosto 2004 :: Setembro 2004 :: Outubro 2004 :: Novembro 2004 :: Dezembro 2004 :: Janeiro 2005 :: Fevereiro 2005 :: Março 2005 :: Abril 2005 :: Maio 2005 :: Junho 2005 :: Julho 2005 :: Setembro 2005 :: Outubro 2005 :: Novembro 2005 :: Dezembro 2005 :: Janeiro 2006 :: Fevereiro 2006 :: Março 2006 :: Abril 2006 :: Maio 2006 :: Junho 2006 :: Julho 2006 :: Agosto 2006 :: Setembro 2006 :: Outubro 2006 :: Novembro 2006 :: Dezembro 2006 :: Janeiro 2007 :: Fevereiro 2007 :: Março 2007 :: Abril 2007 :: Maio 2007 :: Junho 2007 :: Julho 2007 :: Outubro 2007 :: Dezembro 2007 :: Janeiro 2008 :: Março 2008 :: Abril 2008 :: Maio 2008 :: Junho 2008 :: Julho 2008 :: Agosto 2008 :: Setembro 2008 :: Outubro 2008 :: Dezembro 2008 :: Fevereiro 2009 :: Março 2009 :: Abril 2009 :: Maio 2009 :: Agosto 2009 :: Setembro 2009 :: Novembro 2009 :: Dezembro 2009 :: Janeiro 2010 :: Fevereiro 2010 :: Maio 2010 :: Dezembro 2010 :: Setembro 2012 :: Dezembro 2012 :: Janeiro 2013 :: Novembro 2014 ::