<$BlogRSDURL$>
eternuridade
Eternuridade, s.f. (do lat. aeternitate por aglutinação com do lat. ternu). Qualidade efémera do que é terno. O que há de eterno no transitório. Afecto muito longo; tristeza suave e demorada. textos e fotos: gouveiamonteiro(at)gmail(dot)com LIGAÇÕES
.: www.luisgouveiamonteiro.com
.: A Natureza do Mal
.: Mar Salgado
.: Lita
.: Lito
.: Físico Prodigioso
.: Rua dos Ferreiros
.: Domingo à tarde
.: A minha afilhada
26 de setembro de 2004
Medo de ser (in)feliz
Oh, meu chukinho, já viste como a vida é? Foi preciso perder-te para tu seres feliz. Tu que estavas triste porque me amavas tanto. E foi preciso perder-te para me transformar naquilo que tu querias. As voltas que isto dá. Mas não te rales, porque agora já não estou triste, estou só sem ti. O problema foi julgar que tu me podias salvar; e eu a ti. Mas não. Eu é que tenho que tomar conta de mim; e tu de ti. Mas se não fosse o nosso amor a gente também não tinha chegado tão longe, aqui. Que pena que tenha sido preciso perder tudo para começar a tomar conta de mim. (E tu de ti?) Depois, para combater o desespero, - tarde demais - fiz tudo o que te teria feito feliz, para não morrer de tristeza: obras na casa, mudanças na vida, até o meu carro lavei e o teu mandei arranjar.
Agora sou o homem que tu amarias ainda mais e melhor, mas já não amas. Deixa lá, eu pelo menos já gosto mais de mim. E fui um lindo menino, venci a tristeza, que ainda a combato com todas as forças fazendo só coisas saudáveis para ajudar o tempo a passar. Já viste chukinho, as voltas que isto dá. O homem que exigias não era o mesmo que querias. Tu amavas o outro que nunca fui, nem agora nem ontem. Já viste, bebé, que a lição que me deste fará outra pessoa feliz. Agora - sabes o que faço (para além da força na barriga) - falo sozinho e digo o teu nome muitas vezes e com saudades: "oh, meu chukinho, onde está o meu chukinho?". E, já viste como tudo isto é complicado, não posso falar contigo porque me aleija. Mas posso dizer isto aqui onde toda a gente - até os maus - podem usar contra a minha a cabeça aquilo que diz apenas o meu coração. Porque, mesmo depois de ti, ainda tenho muito a perder, mas absolutamente nada a esconder.
E o mais estranho é que isto é um post feliz. Porque eu não sei, mas prefiro achar que tu tens outro amor. Mas eu tenho o truque da barriga e as obras estão quase feitas e a minha vida agora é melhor, mesmo que seja triste sem ti. É uma maçada esta complicação do amor: teimoso e dessincrone. Gostavas de mim sem juízo, mas ficavas triste com isso. Agora - lá isso é verdade - sou uma grande maçada. Pronto, não faz mal, o pior já passou, já tenho a vida arrumada. Oh meu chukinho, as voltas que a vida dá. Agora és tu crescida, eu sou a presa que sonha sempre contigo. Mas foi preciso isto para me ensinares a sofrer, para me mostrares que, de facto, deixei por instantes de ser o menino da minha mãe. Foi preciso perder-te para deixar de ter medo de ser (in)feliz. Foi preciso tanto e tão pouco para fazer ctrl, alt, del. E é óbvio que estas são palavras de uma esperança vã, que nada serve. É apenas o carinho que sobrevive ao amor. Porque o amor continua mesmo quando acaba. E, quando é dos bons, a gente nem quer que acabe. Porque é maior do que a dor e muito melhor do que o nada.
Commentários:
sim! também sinto que só quando se aprende a ser infeliz é que se consegue ser feliz a sério... e ser feliz é amar até a dor...

ou a gostar muito de ler

abraço
.: Comentado por Blogger sophiarui : 8:14 da manhã  
Enviar um comentário
CAIXA NEGRA
Setembro 2003 :: Outubro 2003 :: Novembro 2003 :: Dezembro 2003 :: Janeiro 2004 :: Fevereiro 2004 :: Março 2004 :: Abril 2004 :: Maio 2004 :: Junho 2004 :: Julho 2004 :: Agosto 2004 :: Setembro 2004 :: Outubro 2004 :: Novembro 2004 :: Dezembro 2004 :: Janeiro 2005 :: Fevereiro 2005 :: Março 2005 :: Abril 2005 :: Maio 2005 :: Junho 2005 :: Julho 2005 :: Setembro 2005 :: Outubro 2005 :: Novembro 2005 :: Dezembro 2005 :: Janeiro 2006 :: Fevereiro 2006 :: Março 2006 :: Abril 2006 :: Maio 2006 :: Junho 2006 :: Julho 2006 :: Agosto 2006 :: Setembro 2006 :: Outubro 2006 :: Novembro 2006 :: Dezembro 2006 :: Janeiro 2007 :: Fevereiro 2007 :: Março 2007 :: Abril 2007 :: Maio 2007 :: Junho 2007 :: Julho 2007 :: Outubro 2007 :: Dezembro 2007 :: Janeiro 2008 :: Março 2008 :: Abril 2008 :: Maio 2008 :: Junho 2008 :: Julho 2008 :: Agosto 2008 :: Setembro 2008 :: Outubro 2008 :: Dezembro 2008 :: Fevereiro 2009 :: Março 2009 :: Abril 2009 :: Maio 2009 :: Agosto 2009 :: Setembro 2009 :: Novembro 2009 :: Dezembro 2009 :: Janeiro 2010 :: Fevereiro 2010 :: Maio 2010 :: Dezembro 2010 :: Setembro 2012 :: Dezembro 2012 :: Janeiro 2013 :: Novembro 2014 ::