<$BlogRSDURL$>
eternuridade
Eternuridade, s.f. (do lat. aeternitate por aglutinação com do lat. ternu). Qualidade efémera do que é terno. O que há de eterno no transitório. Afecto muito longo; tristeza suave e demorada. textos e fotos: gouveiamonteiro(at)gmail(dot)com LIGAÇÕES
.: www.luisgouveiamonteiro.com
.: A Natureza do Mal
.: Mar Salgado
.: Lita
.: Lito
.: Físico Prodigioso
.: Rua dos Ferreiros
.: Domingo à tarde
.: A minha afilhada
25 de junho de 2004
Verão cardíaco

Já que - por causa do futebol - me meti a mexer na bandeira, na pátria e na infância, mais vale levar isto até ao fim: mexer na família. As famílias de direita esmagam os indivíduos com protecção, conforto e regras. As famílias de esquerda desperdiçam indivíduos com liberdade, improviso e ideais. Num outro noutro caso, a esmagadora maioria dos progenitores acaba por achar que poderia sempre ter feito diferente. Ser pai é complicado, ser mãe ainda pior.
Com teimosia, dou o benifício da dúvida a Felipão. Acho que é um treinador que usa bem as duas mãos. Ora ama, ora disciplina os jogadores. Sabe que as famílias servem apenas para ajudar as pessoas. Quanto aos casmurros métodos dos últimos 18 meses, defendo com optimismo que esteve esse tempo todo a trabalhar a equipa não-Porto, para ter 23 possíveis titulares. Sabendo que teria sempre operacional, já pronta, a espinha dorsal de Mourinho. Ao mesmo tempo, viu crescer os mais novos e tomou conta dos cada vez mais caprichosos meninos de ouro. Foi um bom político, um bom pai. Ensinou a sonhar e a fazer.
A um mês do europeu, houve finalmente um vento de frescura. Foi de direita durante um ano e meio, mas agora é de esquerda porque, como diz o Barnabelo (link em baixo - tenho sono), muda a realidade. Faz substituições a 30 minutos do fim e não tem pânico de vencer. Estava claro que isto só lá ia com um sotaque enriquecido de Brasil - com a Língua. Porque depois das vitórias até se apanha lixo com a boca.
Como todas as coisas que se escrevem antes de ir para a cama, este post é uma irrestível insensatez. Vão idignar-se mais uns quantos amigos-de-direita-que-acham-que sou-do-bloco e outros tantos amigos-de-esquerda-que-acham-que-sou-um-beto. O Pessoa tem um poema que fala disto, de não estar nem dentro nem fora; viver na soleira da porta. Do centro não sou, garanto. É só que quando sinto que uma nova personagem me habita, abato-a.
Commentários:
Enviar um comentário
CAIXA NEGRA
Setembro 2003 :: Outubro 2003 :: Novembro 2003 :: Dezembro 2003 :: Janeiro 2004 :: Fevereiro 2004 :: Março 2004 :: Abril 2004 :: Maio 2004 :: Junho 2004 :: Julho 2004 :: Agosto 2004 :: Setembro 2004 :: Outubro 2004 :: Novembro 2004 :: Dezembro 2004 :: Janeiro 2005 :: Fevereiro 2005 :: Março 2005 :: Abril 2005 :: Maio 2005 :: Junho 2005 :: Julho 2005 :: Setembro 2005 :: Outubro 2005 :: Novembro 2005 :: Dezembro 2005 :: Janeiro 2006 :: Fevereiro 2006 :: Março 2006 :: Abril 2006 :: Maio 2006 :: Junho 2006 :: Julho 2006 :: Agosto 2006 :: Setembro 2006 :: Outubro 2006 :: Novembro 2006 :: Dezembro 2006 :: Janeiro 2007 :: Fevereiro 2007 :: Março 2007 :: Abril 2007 :: Maio 2007 :: Junho 2007 :: Julho 2007 :: Outubro 2007 :: Dezembro 2007 :: Janeiro 2008 :: Março 2008 :: Abril 2008 :: Maio 2008 :: Junho 2008 :: Julho 2008 :: Agosto 2008 :: Setembro 2008 :: Outubro 2008 :: Dezembro 2008 :: Fevereiro 2009 :: Março 2009 :: Abril 2009 :: Maio 2009 :: Agosto 2009 :: Setembro 2009 :: Novembro 2009 :: Dezembro 2009 :: Janeiro 2010 :: Fevereiro 2010 :: Maio 2010 :: Dezembro 2010 :: Setembro 2012 :: Dezembro 2012 :: Janeiro 2013 :: Novembro 2014 ::